“Rei da Fronteira” está internado em SP, aos cuidados do médico de Lula –

Réu na operação Omertà, Fahd Jamil, de 82 anos, mais conhecido como o “Rei da Fronteira”, está internado desde o último dia 4 em São Paulo. O octogenário teve autorização judicial para tratamento no Hospital Sírio-Libanês, na capital paulista, e segue sob os cuidados do cardiologista Roberto Kalil Filho, mais conhecido como o médico do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

O documento do hospital, anexado ao processo, também informa que o paciente não tem previsão de alta. No mês passado, Fahd ficou internado na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do Hospital da Unimed, em Campo Grande.

Na ocasião, em 3 de setembro, não foram fornecidas informações sobre o motivo.  Ao ser preso na operação Omertà, quando se entregou em 19 de abril de 2021, ele já tinha a saúde fragilizada.

À época, Fahd apresentava sinais de emagrecimento, perda de memória de fatos recentes e falta de ar. Ele precisou de cuidados especiais, como presença de enfermeira, e chegou a passar por cirurgia de emergência no coração. O empresário pagou fiança de R$ 990 mil e foi para prisão domiciliar. Primeiro, com tornozeleira eletrônica, mas depois a Justiça suspendeu o monitoramento.

A decisão autorizando a viagem de Fahd Jamil para São Paulo foi publicada na edição desta sexta-feira (dia 20) do Diário da Justiça. O empresário obteve aval para ficar em São Paulo por 30 dias, mas com envio de relatórios médicos sobre o andamento do tratamento a cada dez dias, sob pena de decretação da prisão. O MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) deu parecer favorável ao pedido da defesa.

“Fahd Jamil está sendo bem tratado por médicos que lhe atendem há vários anos, de Campo Grande e São Paulo. Familiares e amigos zelam por sua saúde. São situações típicas da idade, sob controle. Acreditam que em breve ele terá alta hospitalar, retornando a Campo Grande”, afirma o advogado André Borges.

O pedido da defesa foi no processo por promoção, constituição, financiamento ou integração de organização criminosa, que tramita na 1ª Vara Criminal de Campo Grande. Fahd Jamil também é réu por tráfico de arma de fogo e corrupção. –

 

Botão Voltar ao topo