Presidente Carlão afirma a LOA precisa gerar resultados que melhorem a qualidade de vida da população

Durante a entrega do projeto da LOA (Lei Orçamentária Anual) para 2024, na sessão ordinária da Câmara Municipal de Campo Grande, por parte da prefeita Adriane Lopes, acompanhada do secretário de Governo, Prof. João Rocha e pela secretária de Finanças, Márcia Hokama, o vereador Carlos Augusto Borges (Carlão PSB) presidente da Casa de Leis afirmou que é melhor um orçamento enxuto, mas aplicável, do que um orçamento que gere expectativas que não vão sair do papel. Para ele, a LOA precisa gerar resultados que melhorem a qualidade de vida da população

“A população precisa de mandatos de entrega, mais que promessas, quer e precisa de obras de infraestrutura, investimentos na saúde, educação, mobilidade urbana e principalmente no setor social. Um orçamento que melhore de fato a qualidade de vida da população! E nós, da Câmara, vamos trabalhar para que essas melhorias aconteçam.  Mandatos que priorizam as pessoas, política fazemos na hora das eleições, agora é tempo de política de realizações”, afirmou.

A LOA tem previsão de R$ 6.426.565.761,00, que representa um crescimento de 18,6% em comparação ao último ano, o projeto foi recebido pela Comissão Permanente de Finanças e Orçamento da Câmara de Vereadores. Agora, começa o prazo para que os vereadores possam elaborar as emendas que serão apresentadas para aperfeiçoar a proposta, que estima receita e fixa despesas para o exercício financeiro do próximo ano.

“Fizemos o planejamento em cima da receita para que a gente possa gastar aquilo que está dentro do nosso orçamento, mas pensando no futuro de Campo Grande. Uma gestão que tem sido pautada pela modernização. Investimos muito na gestão para que possamos trazer cada vez mais recursos”, disse a prefeita.

Carlão afirmou que é importante elaborar uma proposta que chegue até à população campo-grandense.

“Todos os vereadores terão acesso ao projeto. Com certeza será construído com as mãos do Executivo e do Legislativo para que esses recursos cheguem até as pessoas. O governo é bom quando investe nas pessoas”, apontou.

Botão Voltar ao topo