Dois ministros visitam obras da ponte da Bioceânica em Porto Murtinho: ‘entrega prevista para 2025’

A ministra do Planejamento, Simone Tebet, e o ministro do Desenvolvimento Regional, Waldez Góes, visitaram a ponte da Rota Bioceânica em Porto Murtinho nesta terça-feira (19). Segundo o Governo Federal, com 45% da obra concluída, a entrega está prevista para 2025.

“Ganhos expressivos na exportação, importação, competitividade dos produtos regionais, e promoção de intercâmbio entre o Brasil e a Ásia são esperados com a Rota”, pontuou o Ministério do Desenvolvimento Regional em nota.

 

Os ministros foram acompanhados do governador do Estado, Eduardo Riedel (PSDB), e o vice-governador, Barbosinha (PP). “É uma obra que ao final de 2026 deve estar em operacional, é com essa meta que a gente está trabalhando, tanto o Governo Federal, quanto no que depender do Governo do Estado”, considerou Riedel sobre a Rota Bioceânica.

Também participaram da supervisão das obras o deputado federal Geraldo Resende (PSDB), o deputado estadual Roberto Hashioka (União) e o secretário da Casa Civil, Eduardo Rocha.

Obra de acesso à ponte custará R$ 472 milhões

No Diário Oficial da União do dia 16 de novembro do ano passado, foi divulgado o resultado da licitação para implantação de acesso à ponte da Rota Bioceânica, na região de Porto Murtinho. A empresa receberá R$ 472 milhões pelo serviço.

 

De acordo com o aviso de homologação e adjudicação, a licitante vencedora é a Construtora Caiapó Ltda (CNPJ 00.237.518/0001-43). O valor total da licitação é de R$ 472.410.911,22.

O objeto da contratação é a elaboração de projetos de engenharia, bem como a execução das obras de implantação e pavimentação de acesso à ponte sobre o Rio Paraguai, na BR-267, contorno rodoviário de Porto Murtinho. Também fica a empresa responsável pela construção do Centro Aduaneiro de Controle de Fronteira.

Rota Bioceânica

A Rota Bioceânica encurtará a distância para as exportações e importações brasileiras entre mercados potenciais na Ásia, Oceania e Costa Oeste dos Estados Unidos. Também integrará a América do Sul e transformará Mato Grosso do Sul em um hub logístico, um centro de distribuição de mercadorias.

Mato Grosso do Sul é o coração da rota, que vai seguir pela cidade de Porto Murtinho; cruzará o território paraguaio por Carmelo Peralta, Mariscal Estigarribia e Pozo Hondo. Depois irá atravessar por território argentino as cidades de Misión La Paz, Tartagal, Jujuy e Salta; ingressando no Chile pelo Passo de Jama, até alcançar os portos de Antofagasta, Mejillones e Iquique.

Botão Voltar ao topo