Como o remake de Renascer sacrificou e destruiu a história de Terra e Paixão após neto dar ‘canetada’ na Globo

Sentiu falta de cenas de plantação no final de “Terra e Paixão”, exibido na última sexta-feira (19) pela TV ? Viu também que a protagonista terminou sem colher sequer uma espiga de , como prometia e afrontava a Antônio La Selva (Tony Ramos) desde o início, afirmando: “os  que eu produzir serão ainda melhores que os teus”?

Além de “matar” essas histórias após uma “carteirada” do autor de “Renascer”, a novela ambientada em Mato Grosso do Sul ainda precisou “ressuscitar” uma personagem morta para que o neto de Benedito Ruy Barbosa aceitasse fazer o remake da obra do avô, de 1993.

Marcada para as 20h20 desta segunda-feira (22), a estreia de “Renascer” acontece a altos preços na emissora. Um deles, foi sacrificar sua antecessora, “Terra e Paixão”. É que, para colocar a nova versão da novela de 1993 no ar, o autor Bruno Luperi, neto de Benedito Ruy Barbosa, fez algumas exigências. De acordo com o Notícias da TV, ele chegou a se recusar a escrever o remake da novela do avô por causa do folhetim de Walcyr Carrasco.

Isso porque a trama anterior, ambientada em Mato Grosso do Sul, tinha exatamente a mesma história que “Renascer”. Em maio de 2023, logo após a estreia de “Terra e Paixão”, Bruno Luperi notou que o atual folhetim das nove narrava justamente o principal plot do clássico dos anos 90: o conflito entre o pai que odiava e culpava o filho pela morte da esposa.

Naquela época, ele já trabalhava na adaptação dos capítulos e quis cancelar a estreia de seu remake para janeiro.

Botão Voltar ao topo