Com menor número de vítimas em 5 anos, feminicídio ainda segue matando mulheres todo mês em MS

Com o menor número de  nos últimos cinco anos, em Mato Grosso do Sul os feminicídios ainda são frequentes todos os meses. O número de mulheres que morreram no ambiente familiar, ou simplesmente por serem mulheres, reduziu de janeiro a agosto, se comparado com anos anteriores desde 2019, porém os dados mostram que pelo menos 2 mulheres são assassinadas por mês no Estado.

Conforme dados da Sejusp (Secretaria de Estado de  e Segurança Pública), nos 8 primeiros meses de 2023 foram registrados 19 vítimas do crime. Em 2022 foram 30 mulheres, em 2021 (28), 2020 (25) e em 2019, 22 mulheres foram assassinadas.

Dos 19 casos registrado em Mato Grosso do Sul, 6 ocorreram só em Campo Grande.

Dados do Anuário Brasileiro de Segurança Pública, segundo informações do ano de 2022, mostram que a maioria dos autores de assassinatos de mulheres no país são os próprios companheiros (53,6%), seguido por ex-companheiros (19,4%), depois por algum outro familiar (10,7%), desconhecidos (8,3%) e outros conhecidos (8%).

Já sobre a violência com que o crime foi cometido e a forma, indica que a maioria, ou seja, 49,9% dos crimes cometidos em 2022, foram com a utilização de faca, 26,3% com arma de fogo, 11,7 outro, 10,4 por agressão, espancamento, asfixia, estrangulamento e 1,6 por outro tipo de objeto contundente.

Ainda 69,3% dos casos ocorreram dentro da própria casa.

O último caso no Estado aconteceu na terça-feira (29) em Paranaíba, cidade a 410 quilômetros de Campo Grande. Alessandra da Penha Cardoso, 42, foi morta com golpes de faca no pescoço pelo  em frente à casa dela.

A mulher havia solicitado medida protetiva há 9 dias, quando o homem prometeu matá-la. Na ocasião ele danificou o vidro do carro. A mulher contou à polícia, que ele não aceitava o fim do relacionamento.

A mulher foi atacada quando chegava em casa. Após o crime, o homem fugiu e tentou se esconder em uma casa atrás de uma fábrica na cidade, mas acabou sendo localizado e preso.

Botão Voltar ao topo