Com falta no estoque, Campo Grande faz pregão para comprar remédios

Em meio à falta de medicamentos no estoque da Sesau (Secretaria Municipal de Saúde), foi publicado no Diogrande (Diário Oficial de Campo Grande), desta quinta-feira (14), o aviso de continuidade do pregão eletrônico que visa à aquisição de remédios.

A publicação especifica que será realizado o registro de preços para a aquisição de remédios, a fim de atender às demandas da Remus (Rede Municipal de Saúde).

 

O pregão eletrônico é uma modalidade de licitação que ocorre em tempo real por meio da internet e começará às 9h desta sexta-feira (15), no horário de Campo Grande.

A reportagem solicitou informações junto à prefeitura, para saber se, de fato, tal procedimento destina-se à aquisição dos medicamentos que estão em falta. Não houve retorno até o fechamento deste material. O espaço continua aberto para acréscimo de informação.

Falta de 107 medicamentos

No dia 22 de fevereiro deste ano, representantes da Sesau se reuniram com as Promotoras de Justiça Daniela Cristina Guiotti, designada para atuar perante a 76ª Promotoria de Justiça, e Daniella Costa da Silva, titular da 32ª Promotoria de Justiça, para falar sobre o problema da falta de medicamentos.

 

Na ocasião, o Superintendente de Economia em Saúde Pública de Campo Grande, Danilo Souza Vasconcelos, informou que os medicamentos foram categorizados por ordem de prioridade, sendo que, dos 266 medicamentos da rede, 107 estavam com estoque zerado.

À época, a gestão municipal informou que estava adotando todas as medidas necessárias para que ocorresse a reposição dos estoques com celeridade.

Após as tratativas, ficou deliberado que a Sesau deveria encaminhar, no prazo de 15 dias, relatório com a situação dos estoques dos 266 medicamentos às Promotorias de Justiça da Saúde de Campo Grande.

Botão Voltar ao topo